Sem Papas Na Língua

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Por mais ar condicionados nas cozinhas do Mc Donald's



Esses dias estava na rua resolvendo umas coisas e decidi ir comer no Mc Donald's. Ok! Me juguem! Muitos serão os argumentos para me fazer entender que o lanche que eles vendem não são saudáveis e blá blá blá. Mas se você, que é conhecedor de comidas de fast food, vai saber que as batatas fritas são uma das melhores, não sei explicar. E foi isso que me convenceu nesse tal dia a comer lá. 

Mas não é meu objetivo aqui neste texto discutir gosto de comida, te convencer de que o Big Mac é bom ou que é ruim pra saúde... Muito menos criticar a empresa, pelo. Venho aqui pontuar minhas percepções a respeito das pessoas que trabalham lá e sobre as condições em que se encontram. Mas aí você vai me dizer que eu poderia ter redigido sobre o trabalho infantil, sobre a exploração da mão de obra barata da China e do sertão. Sim! Eu poderia, mas não escrevi.

O fato é que neste dia em que estava no Mc Donald's, comecei a observar as pessoas que trabalhavam lá. Um trabalho como outro qualquer, um trabalho tão explorativo quanto outros tantos por aí e um trabalho digno como muitos outros também. E eu estou me referindo ao Mc Donald's porque é o único lugar com comida fast food que gosto e me atentei a refletir por agora. Não deve ser fácil trabalhar lá. Eu mesma já presenciei muitos atos de maus tratos de clientes, quanto de funcionários em cargos superiores, como um gerente, por exemplo, destratando o individuo que no momento estava no caixa. 

Sim! Porque quem trabalha no Mc Donald's não tem um cargo fixo, muito menos tempo pra beber água, ou papear sobre algo qualquer com um colega de trabalho. Tem de passar pelas mais diversas funções. Já presenciei uma gravida passar mal de tanto calor. (POR MAIS AR CONDICIONADOS NAS COZINHAS DO MC DONALD'S!!!) Não existe tempo para as relações sociais entre eles. O que empresas como essas estão interessadas é no superfaturamento. Repito que se formos fazer um apanhado de empresas que possuem as mesmas características dessa multinacional, listaremos um monte por aí. 



Acontece que as pessoas que trabalham lá são subjugadas ao exemplo de fracasso. Na época de vestibulares, a frase que mais se vê é: "Se eu não conseguir passar no vestibular, minha segunda opção é trabalhar no Mc Donald." Como se trabalhar fosse algo muito indigno. O Mc Donald's pode ser um lugar péssimo para trabalhar, mas é uma das empresas que oferecem a oportunidade do primeiro emprego a muitos jovens que por não terem experiência no mercado de trabalho, são negados em outros lugares.

Nunca trabalhei no Mc Donald's, mas quando estava desempregada, pensei na possibilidade. Pois, mesmo formada numa universidade renomada, não foi garantia de várias oportunidades de empregos. Entreguei muitos currículos e muito custou para que eu tivesse uma oportunidade. O que me interessava era poder ter um salário para que eu pudesse suprir qualquer que fossem minhas necessidades, com o dinheiro do esforço do meu trabalho.

Você que critica essas pessoas, que acham que só quem tem pouco estudo trabalha lá, que eles tem o favor de lhe atender com rapidez... Acharia melhor que você reformulasse seus conceitos.

Aqueles indivíduos possuem sonhos e obrigações, assim como muita gente por aí. Não é trabalhar lá que os tornam menos inteligentes ou não. Ninguém tem o direito de menosprezar um outro alguém por acreditar que ele não estudou o suficiente e por isso está ali. 

A crise econômica assola vários países e eu te digo: Não está fácil pra ninguém. As pessoas desejam suprir suas necessidades e muita das vezes tem de submeter a empregos onde não são felizes. Se sentem estressados por ter de cumprir metas, entre outros, mas será o objetivo, o foco que elas tiverem que fará a diferença e até mesmo terão forças para conquistar algo melhor por não se agradarem de onde estão. Mas tem de fazer por onde. Geralmente realmente trabalhar no Mc Donald's nunca será a primeira opção de ninguém.

Não é indigno trabalhar no Mc Donald's. Assim penso. Indigno é ver muitos políticos por aí ganharem o salário que ganham para não fazerem diferença nesse país. A verdade é que cada um pensa em si e que o outro é que corra atrás, que fique com as migalhas.

Felizes os que tem sede de conhecimento, de ter sua própria independência, os que correm atrás do que almejam. Mesmo que um pedaço desse degrau para alcance dos objetivos seja trabalhar no Mc Donald's. Que seja!



Por Daniella Lins

domingo, 6 de dezembro de 2015

Acorda! Os homens não são iguais.



Uns anos atrás fui conduzida a pensar que todos os homens eram iguais. E isso não por minha mãe me ensinar, pelo contrário, mas pelas experiências ruins que eu e minhas amigas tivemos. Parecia que todos os homens estavam tendo as mesmas atitudes que os outros, quando na verdade, eram nós mesmas que estavamos permitindo certas atitudes. As próprias revistas e filmes hollywoodianos conduziram muitas mulheres, confesso, assim como eu, a idealizar um homem ideal. Mas esses esqueceram de pontuar que um homem de verdade vai ter também defeitos, até porque, diferente do que dizem, eles não foram feitos em formas de bolo, ninguém foi.

Mas conforme fui tendo outras experiências, fui começando a refletir que nenhum homem é igual ao outro. Nem nós mulheres somos, porque eles seriam? É ser muito prepotente definir uma certa população de pessoas numa classificação baseada em apenas 'experiências', minhas ou de pessoas próximas a mim. 

Passei a refletir e fazer com que essa frase "os homens são todos iguais" se evaporasse. Fui compreendendo que ninguém é igual a ninguém e que por mais que os caras que conheci tivessem tido as mesmas atitudes, isso não os tornariam iguais, muito menos tornaria isso uma característica de ser 'homem'. Porque ser homem é algo ainda mais complexo, que não pretendo me dispor a esclarecer nesse texto. Enfim, não gosto quando ouço essa frase "os homens são todos iguais" ou as "mulheres são todas interesseiras", são frases descriminatórias e generalistas que classificam todos numa igualdade que não existe, neste sentido.

O que acaba acontecendo muito por aí é a pessoa se fechando para novas experiências, por querer evitar que a experiência anterior se repita ou espera que a pessoa atual faça o mesmo que a anterior fez. Mas meu bem, NINGUÉM É IGUAL A NINGUÉM! E com certeza você deve saber disso. Ninguém gosta de ser comparado a ninguém, ninguém gosta de ser considerado 'culpado' por algo que não cometeu.

Se você não gosta de ser comparado/a imagina o outro? Nem todo cara é um BABACA, nem todo cara te vê como um objeto. Nem todo cara despreza quem você é. Então, não generalize as pessoas. As pessoas mudam, os momentos não são os mesmos.

Uma pessoa de carne e osso está destinada a cometer erros e acertos o tempo todo, cabe a você reconhecer até onde vai o seu limite. A perfeição para a raça humana não existe. Muito menos a perfeição em qualquer relacionamento que seja. O erro e as imperfeições sempre existiram e dependendo do quanto você gosta de um certo alguém, esse defeito pode ser suportável até um certo ponto. Faz parte.

Os homens não são iguais! Quem te disse que são? Eles tem alturas, raça e filosofias diferentes. Gosto musical e gastronômico também. Eles possuem tipos de tratamento diferente um dos outros. O sorriso que cativa, a pegada com firmeza, o perfume e o jeito de beijar os difere uns dos outros. Há o brincalhão, o sério, o tímido, o que fala muito, o que fala pouco. O que paga a conta, o que racha a conta. O que te tira da mesmice, o que te deixa reflexiva, o que faz aprender. O que faz a gente virar os olhos de desejo, o que faz a gente virar os olhos de desinteresse. Acontece. Todo mundo é diferente.

Ainda bem que são! Porque se não estaríamos sempre destinadas/os a conhecer sempre o mesmo tipo de pessoa. Sem graça até. Daria preguiça. Há de ter fé de que as afinidades ou certas diferenças vão aproximar e cativar.

Tem o cara de atitude, o cara que espera pela atitude. Tem os estilo rato de academia, o estudioso, o jogador de game ou futebol. O historiador, o filosofo, o egocentrico, o cozinheiro, o que compra os lanches prontos. O aventureiro, o que te surpreende, o que te pega de jeito, que faz você se arrepiar da cabeça aos pés. Uau! Tem pra todos os gostos, você só tem de dar a oportunidade de conhecer um pouquinho desse cara. Aaah esses caras...

Cheios de medo e sentimentos, de sonhos e frustrações. Um ser humano como outro qualquer, ao mesmo tempo tão singular. Não estipule uma forma, um padrão de pessoa para admitir em sua vida. O máximo que você deveria fazer é reconhecer o que quer e o que não quer. Pode dar certo com uns, pode dar errado com outros, e mesmo que as experiências tenham sido boas ou ruins, não compare ninguém, não espere que as pessoas sejam iguais, AINDA BEM! ELAS NÃO SÃO! 

Não conheci muitos homens, mas os que conheci, passei a transformar somente em coisa positiva os momentos que tive com eles.... sejam meus amigos, pai, ficantes. Esses caras não são iguais e eu também não sou. Mudamos o tempo todo, as experiências nos ensinam.




Por Daniella Lins

domingo, 15 de novembro de 2015

O desejo de encontrar quem está longe: Sobre um amor não correspondido.


Na maioria das vezes nunca achamos que determinadas coisas tiveram seu fim, a nossa não aceitação ou apego por histórias que aconteceram no passado, só fazem com que nos magoemos toda vez que tentamos vivenciá-la, mesmo que mentalmente, no hoje.

Quando o conheci não imaginava o quanto ele seria importante pra mim, mesmo que a nossa história tivesse durado exatos 30 dias. Ele não chegou a declarar nada sobre amor pra mim, não havia feito promessas, muito menos de que iríamos voltar à nos ver. Mas mesmo assim eu mantinha em mim uma coisa boa guardada sobre isso tudo. Eu queria ter mais uma oportunidade de vê-lo e mesmo que em silêncio, por pra fora todo aquele sentimento que carrego no peito e que não me serve apenas para me deixar triste. Sim, triste. Triste foi a palavra que encontrei para definir uma parte do que sinto por essa situação de amar um alguém que não me ama, a outra parte eu prefiro não definir, por inexistência de palavras mesmo. Já que a maioria dos sentimentos que sinto são só meus e que dividi-los com alguém já passou a serem incompreensivéis.

O conheci numa das estações que se podem chamar de fria, o inverno, mas a trasnformamos em primavera, tudo colorido, doce. Nenhum problema era tão pesado. Romantizei muito minhas palavras aqui neste texto, mas quem em estado de bem vai falar palavras amargas? Meu amado me tratou como ninguém havia antes me tratado, me olhou nos olhos, demostrou que meus sentimentos eram importantes. Que sorriso lindo ele tem, como eu desejo vê-lo face a face, mais uma vez. A distância é um fator de grande peso, que só é enfrentado por aqueles que se amam. Ele não me ama, nem mesmo eu sei se o amo, não por mim, mas pela concepção daqueles que estão de fora. Para ele fui um acontecimento passageiro, para mim, ele foi um acontecimento bom.




Muitos podem até me classificar como louca e etc.. Mas só quem reconhece que viveu algo especial, não esquecerá de modo simples esse alguém, ao menos se quiser muito, mas eu ainda tenho poucos motivos para isso. Não vivo acreditando que nossa história possa ter continuidade, mas acredito que a vida é algo tão preciosa que devemos dar valor a ela. Para mim a vida aqui na terra é passageira e eu desejo sempre não me arrepender de não ter feito o que tive vontade de fazer. O tempo não volta, as pessoas muito menos. Nada é por acaso, à aqueles que nos cativam e ele foi um desses.

O que vivemos foi tão intenso pra mim que decidi planejar meios que me permitisse vê-lo novamente, independente da situação dele. Mesmo que ele tivesse namorando com uma outra mulher, casado ou com filhos. Minha única intenção é vê-lo novamente, afim de dizer ao meu intimo que aquela história teve seu fim e que aquele ser tão bonito, não passou de um passado bonito que tive.

Passei a estudar o inglês por músicas, por aulas online, já que ele mora nos Estados Unidos. Comecei a entregar curriculos, o máximo que pude, entregando até mesmo, mais de uma vez no mesmo lugar, para encontrar um emprego de que não fosse de tanto sufocante e que ofuscasse meu objetivo. Falhei em tentar juntar meu dinheiro, pois, muitas de minhas necessidades eu mesma a supria. Comecei a ter problemas de saúde, o que tornou mais lenta as coisas pra mim.



Muitas dificuldades foram aparecendo durante o percurso que eu tentava trilhar para alcançar esse objetivo mirabolante de encontrar novamente esse alguém que nem lembrava mais que eu existia. Eu não representava muita coisa pra ele, mas isso não me importava, me importava o que ele tinha representado em minha vida. Eu agradecia sempre a Deus por ter tido a oportunidade de ter passado por essa vida e ter vivido tudo o que vivi, principlamente com ele.

Meu amado pensava que os planos poderiam ser traçados no papel  e fielmente ocorrerem como planejamos, e por um triz quase me contaminei com essa velha concepção que ele tinha. Tracei no papel todo um plano, mas a vida é mesmo muito bela, ela nos surpreende, nos revela, nos reformula, tudo pode acontecer, como não também. Deveríamos ficar tranquilos em relação a todo esse acontecimento. Podemos traçar planos, mas vem de Deus a palavra final. Certos sonhos podem parecer banais diante de outros olhos, mas só quem os possuí é que sabe das razões para ainda acreditar e buscá-los.

Eu não desisti de tudo o que desejo. E quando encontra-lo sei os sentimentos já seram outros, o meu será ainda o de gratidão. Sim, eu fui feliz com um alguém que me permitiu conhece-lo um pouco e eu o mesmo. A fé move o impossível. Nunca é tarde pra sonhar, pra fazer acontecer. O segredo é acreditar, eu acredito! 

Me despedi por um período daqueles que amo e fui atrás do  meu amor, vou ali e já volto. Nem que seja para admirá-lo de longe. Que esse desejo se torne real, se for da vontade de Deus. Enquanto isso a vida não para. 


Por Daniella Lins 

domingo, 18 de outubro de 2015

Ao vento jogo nossas cinzas.



Não consigo me relacionar com mais ninguém desde que você se foi. Parece que de algum modo ainda estou conectada a você. O cheiro de outros caras tem me enjoado. Os beijos são muito sem vontade, talvez falta de vontade minha de estar ali. O olhar desses caras pra mim são vagos, assim como as palavras que vem deles também são. Queria não estar sentindo isso, mas sei que logo o tempo irá tratar de solucionar isso pra mim. 

É! Eu sei! Os dias já passaram e já deveria ter se apagado o que queimava dentro de mim,  mas eu de maneira tão miraculosa fui tocada por você. Coisas do tipo não se acham significado num desses dicionários de biblioteca nacional ou mesmo que alguém me perguntasse a importância de você pra mim, eu seria incapaz de achar as palavras certas.

Sabe o cara com que eu sonhava desde minha adolescência? Ele chegou certinho pra mim na minha vida adulta, mas ele não pode ficar. Eu pedi um desses caras que me olhasse devagar, já que tanta gente me olhou depressa demais. Aquele que tornava qualquer lugar bonito e divertido, que me olhasse no fundo dos olhos. Que me dissesse que foi um prazer ter me conhecido. Mas ninguém deve ser fixo a ninguém. Eu pedi, Deus me concedeu, e agora ele se foi. Ele logo tratou de continuar a viver... eu não tive forças pra fazer o mesmo. Seguir. Eu quero seguir!

O que acontece é que se apaixonar a gente pode muitas vezes, mas amar, creio que poucas, mesmo que as vezes a gente confunda esses sentimentos tão fireworks. Admiro os que conseguem fingir força quando estão na verdade em cacos por dentro. Eu sou daquelas que se deslizam como manteiga quando alguém me pergunta se tenho alguém para amar... a primeira pessoa que lembro é você.

É! Posso ainda estar apegada ao que fomos, na verdade ao que fostes para mim principizito. E esse negócio de "desapegar" eu deixo para outro dia. Hoje eu decidi aturar o que dói em mim e mergulhar de cabeça no passado bonito que tivemos. Se essas histórias bonitas que contam por aí foram de verdade, eu não duvido, porque a nossa foi, por mais que tivesse durado pouco.

Mas como tudo tem um ponto final para aqueles que assim desejam, você deu o seu e assim eu não posso prosseguir sozinha. Não nessa história. Resolvi virar literalmente a página. Recusar falar de você foi o primeiro passo que resolvi dar. Resolvi jogar nossas cinzas ao vento. Quem sabe ela sirva de adubo para outras histórias?! Mas pensando bem, acho que não. O que tinha que frutificar, frutificou, hoje não existe nada além que lembranças daquilo que não se pode carregar.

Decidi me libertar de falsas expectativas que eu mesma criei. Joguei tudo o que restava de você dentro de mim ao mar. Porque o mar leva! Énnele que eu deposito sempre o meu amor e admiração, quem sabe ele não transformará esse amor solitário em força para deixar a porta aberta para um amor recíproco.

A vida é um verdadeiro mistério, feita de encontros e desencontros. Eu não espero o encontrar novamente, não porque eu não queira, mas porque não quero ser a criança que espera o Papai Noel descer no trenó. "Quem acredita, sempre alcança!" É... mas nesse caso, eu não posso acreditar sozinha numa história que já acabou a tempos. Ele me quis por um mês e logo tratou de me esquecer. 

Não será por isso que farei o mesmo, até porque não se pode ou deve esquecer um alguém que só fez bem. Mas dar adeus abre brechas para que coisas magnificas aconteçam.

Vai vento! Leva o sentimento de apego pra longe, se desfaça no ar!

Adeus meu bem! Que venha o novo! Nem que seja pra sofrer de novo, mas que seja outra história.


Por Daniella Lins

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Podemos sempre nos apaixonar de novo



A gente sempre acha que não, mas sempre podemos nos apaixonar por um outro alguém que não seja aquele que antes apreciávamos. Eu sei! É muito difícil pensar que podemos acreditar nas meia dúzias de palavras que o outro pra nos conquistar nos ofereceu um certo dia, que fez você se apaixonar. E quando você percebe que entre três pensamentos sobre as coisas da vida, dois são sobre o ser amado... você já sabe que a paixonite chegou pra você. E aí vem todos os medos e anseios novamente. Acaba que o genérico quer exceder toda a singularidade que o outro tem.

No fim de qualquer relacionamento  é inevitável acharmos que não iremos amar um outro amor, começamos a fazer comparações, achamos que não seremos venerados da mesma maneira... O que é muito errado pensar dessa forma. 

Vá com calma! Ninguém é igual a ninguém. Assim como você não é, não é verdade?! Ninguém tem a responsabilidade e dever de seguir o escripte que você criou com um outro alguém ou criou aí na sua mente.

Deixe de acreditar que o melhor café é o que o seu ex-amor preparava, ainda existem muitas outras qualidades culinárias a serem a sua preferida. Há sempre novos lugares a serem descobertos. Há sempre um outro beijo a ser o melhor. Os limites é você quem os cria, a lista de melhor ou pior é você quem escreve, ela deve existir? Creio que não. Repetindo: NINGUÉM É IGUAL A NINGUÉM.

O amor existe, se transforma e acredito que quando esse outro alguém não deseja mais estar ao seu lado ou vice-verso, você deve deixar ir. Não se prenda a velhas lembranças de vocês, mas principalmente, não se prenda a essas lembranças. Porque as pessoas mudam, assim como você deveria mudar também. Guarde o que foi bom como lembrança e as ruins como experiência.

Quando nós apegamos ao que não nos pertence mais, deixamos de dar brecha para que novas histórias aconteçam e nosso olhar se fecha para novas oportunidades. Você já percebeu que quando estamos muito focados em apenas uma coisa, as outras deixam de ser interessantes ou notáveis? Pois bem. Abra seus olhos! Dê oportunidade para o que deseja ser presente.

Há sempre novos amores, novas oportunidades, novas amizades, se dê uma chance! Não há vergonha nenhuma em desistir daquele que não te quer mais. 

Como é bom amar e principalmente ser amado de modo recíproco. Pense bem... Você pode se apaixonar novamente e sem querer querendo, geralmente não é você quem determina isso. O seu amor não deixará de ser amor por isso, só não será mais, pelo menos por agora. Dê tempo ao tempo. Alguém cruzará seu caminho. Vai dar tudo certo. Se apaixonar é sempre um risco que se corre. E aí? Vai encarar?


Por Daniella Lins




quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Ele preferiu ser passageiro




Eu já entendi meu caro! Eu não faço mais parte da sua vida. Já não somos mais dois. Nossos dedos e olhares, não se cruzam mais. Vai ficar esse tom dramático na minha fala, mas eu precisava te dizer que eu pensei que algo disso tudo iria sobreviver além da memória. Mas você não quis, você mesmo tinha me avisado que não queria, e eu teimei em acreditar que você pudesse mudar de ideia. 

Mas o que passou, passou. Você quis assim. E como diz a frase: "Quando um não quer, dois não brigam." Mas não quer dizer que não tenha sido importante pra mim tudo o que vivi. Ôh se foi! Não tem como apagar da nossa história de vida. Eu de algum modo ficarei em você. Você foi importante pra mim.

Não teve continuidade qualquer tipo de relação, de laço, porque você não quis. Ninguém é obrigado a querer, mas por quê seus olhos me diziam que você estava feliz? Sim, você estava. Preferiu viver tudo ali, no presente, sem idealizar o futuro. E você estava certo, pra quê sofrer?

Você parecia ter se cativado por mim, tudo mentira. Por quê chorou? Tudo mentira. Não te importa o que eu sinto, o que eu penso, tanto faz. Quem sou eu na sua vida, né?! Sei lá?! Você nem deve lembrar meu sobrenome, o som da minha risada, Não faz sentido pra você permanecer. Você tem sua vida, outros planos e eu não faço parte deles. Por quê faria? Nada haver! Hoje sou lembrança. Experiência. 

Não faz sentido você contar sobre seu dia, seus planos, anseios, para um alguém que não faz seu coração pulsar forte. Não adianta insistir em porta fechada, em coração ocupado, pois eu sei que a vida sempre se trata de nos apresentar um outro alguém. Foi assim com você e será assim pra mim também.

A vida nos ensina, o outro nos ensina, as situações nos ensinam, se assim a gente permitir. E eu aprendi com você... 

Já te coloquei uma vez em destaque na multidão, mas você quis ser mais um. Tive que arquivar nossa história, num lugar em minha memória e resolvi seguir em frente também. Dar oportunidade pra novos amores, novas experiências. A vida continua. Passei a não falar mais de você para as pessoas. Não porque eu quis, mas porque ninguém mais parecia se interessar por uma história sem futuro, sem final feliz.

Resolvi arregaçar as mangas e ir atrás da minha felicidade também. Assim como eu não fui a sua, você não será a minha. Sucesso meu caro. E não desejo mais que em um futuro a gente se esbarre por aí.Não adianta esperniar. A vida é como ela é. Seja feliz  e obrigada.


Por Daniella Lins

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Amores calmos.



Antes de você ler esse texto, te adianto que o que escrevi nesse texto, são opiniões minhas, você tem o direito de discordar ou concordar (deixe um comentário se quiser.).
Lembrando que eu sou a favor do amor e acredito nele, apesar de ainda não ter sido agraciada por um verdadeiro.

Mas isso é texto para uma outra oportunidade. 
Bom! Vamos lá! Hoje em dia a palavra  "amor" e o seu significado tem sido muito subestimado. Se a pessoa não diz "eu te amo" à outra, ela não se sente amada por esse. Não tem nada haver! Fique calmo/a!

O que eu vim chamar a atenção aqui é o fato de nos exigirmos demais e exigir do outro também, exigir amor eterno, ao invés de viver os momentos com simplicidade, sem neuras, suavemente, curtir e conhecer o outro.

O gostar já é muito bom, ser gostado e admirado por um outro alguém é melhor ainda. Deveria ser ótimo se entregar à um outro alguém sem pensar se é verdadeiro ou não, viver o hoje, sem muitos planos e rotina demarcada. O simples fato de se estar em companhia já deveria ser muito bom. Sem jogos de conquista, sem o drama de um amor mais que a própria vida. Dizer o que sente ao outro com sinceridade.

Mas esse "desprendimento" todo não quer dizer que não haja um respeito mútuo e combinações estabelecidas para que as coisas estejam claras e para que ninguém se sinta menos que o outro ou mais "usado" que o outro. Os sentimentos crescem ou morrem, para isso precisam ser cultivados.

Geralmente os covardes não dizem nada, não dizem a verdade. Aaah se o que sentimos de verdade fosse dito sempre... Mas as pessoas nunca gostam de sair como o vilão. Que vilão que nada! Vilão é você ir arrastando um relacionamento independente de ser sério, assumido ou não, sem querer estar com a pessoa, aí você espera que ela se sinta mal pra poder dizer que não dá mais, isso é covardia!

Isso é tão fora de moda... Mas tem gente que ainda insiste em fazer drama, em abraçar o medo. Seria tão simples amar sem forçar nada, deixar o outro livre pra decidir se quer ficar. E se não ficar, não era pra ser. Não dá para determinar muito as coisas... Se iremos nos apaixonar ou não, se vamos namorar ou não, casar. Isso tudo acontece de maneira natural, as vezes por consensos.

O que podemos fazer é deixar acontecer naturalmente, como diz a canção. Eu tenho minhas dúvidas, mas acredito que não tem como controlar ou determinar certos sentimentos. Já está! O sentimento está ali, não tem explicação.

Mas enfim... Em matéria de sentimentos sou de expressar sem medo das consequências. 


Ame de maneira leve. Se ame! E saiba o que você quer pra você. Amar é bom e se amar é melhor ainda.


Por Daniella Lins

sábado, 22 de agosto de 2015

Pessoas não são receitas, fazem receitas.




Muitas revistas, sites, filmes, músicas, nos fazem acreditar que nós é que devemos mudar para conquistar o outro. "Como conquistar um homem em 4 passos." "Guia prático da mulher inteligente." Cada bizarrice! Que acaba tornando muita gente cheff de cozinha. Que fica usando receitar e regras do que fazer e não fazer.

PARA! POR FAVOR! NÃO HÁ RECEITA! Não há um método que faça o outro cair aos seus pés a não ser ser você mesmo. Forçar situações, forçar ser o que não é, engolir "sapos", ficar calada/o diante de uma situação que a desagradou só para ver o outro bem... Não rola.

Pessoas não são receitas, se fosse assim seria muito fácil, só seguir o roteiro e estaria tudo resolvido. Felizmente só Deus tem o nosso manual de instruções. rsrs'

Se fosse assim, seria muito fácil se relacionar com o outro e no mundo real não é assim que as coisas funcionam. Se relacionar, seja em família, com parceiros, amigos, colegas de trabalho, tem conflitos, encontros, afeições, identificações ou não. Que você só vai saber se conviver, só se permitir-se a identificar o melhor e o pior no outro. Identificar as suas diferenças e a diferença do outro em relação a você.

Por isso há a frustração, querer que o outro atenda as ações que você mesma criou em sua cabeça, forçar o outro a ser ou fazer o que não quer. Se o outro NÃO QUER, deixa ele não querer, em algum momento você entenderá o por quê de não ter dado certo de acordo com suas expectativas.

Não enquadre ninguém em molduras achando que aquela pessoa que você conhece em um mês é excelente, porque ela não é. É ser humano, não vai ser perfeito. Não enquadre ninguém em receitas que as revistas dizem. Se ele não retornou sua ligação, pode ter sido tanta coisa... Calma. Você e nem ninguém tem o poder de prever o futuro, deduzir... um pouco, mas acertar com exatidão? Só mesmo arriscando, vivendo, sem neuras. E não se enquadre ao querer de ninguém, acredito que você possa ser você mesma/o. Mudar certas atitudes, sempre são necessárias, mas mudar a essência, creio que seja muito arriscado.

E para! O problema não é você, são as circunstâncias que a vida impõe ou que um de vocês impõe. Desencana! Dá ou não dá pra realizar, pra continuar. É SIM ou é NÃO. QUERO ou NÃO QUERO. Simples assim.

Na verdade quem cria as regras somos nós mesmos, que nos submetemos a elas ou que acreditamos nelas. A vida deveria ser vista como algo que não tem volta. Um dia é um dia e outro dia é outro dia. Mas aí você vai me dizer: Ah, mas isso é óbvio! Mas na prática não é não. Não temos o poder de determinar nada, tudo pode mudar, nem tudo depende só de nós.

Se o outro quer, bom. Se não, ótimo. Vida que segue. Por quê insistir? 


Por Daniella Lins

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Nas despedidas, aprendi a dizer "Até logo!"



Se despedir não é fácil. Nunca foi e nunca vai ser. Pelo menos para mim não, eu nunca soube lidar. Eu que sempre fui pela vida forçada a me despedir, tive que compreender que não estará mais próximo a mim aquela pessoa de quem eu tanto me cativei.

Eu tentei gravar com meus dedos cada curva e sinais que o corpo dele tinha, para de alguma forma arquivá-lo dentro de mim, mas só isso não foi o bastante. Enquanto ele dormia bonito, eu o admirava como criança quando avista o seu super héroi. Como é engraçado o meu benzinho, sabe?! Como foi ruim dizer "tchau!"

Posso recordar o primeiro dia em que o vi, posso recordar cada sorriso timido que ele dava ao rir de alguma bobagem que me dizia. Que sorriso lindo, que olhos lindos. Tenho certeza absoluta, que mesmo que eu perdesse a memória, eu me apaixonaria por eles mil e uma vez.

Não é fácil conhecer um alguém, conviver com esse alguém, criar emoções e momentos e como um corte umbilical, ter que se ver despedindo dessa pessoa. Eu tive vontade de permanecer ali o abraçando por toda minha vida. Mas a vida, essa moleca, sempre nos prepara situações como essa, em que o nó na garganta trava as palavras, parece que as lágrimas vão nos afogar e a vista já embaçada, a vista por reflexo a pessoa indo embora.

Eu quis gritar com todas as minhas forças "FICA", mas me calei por compreender as circunstâncias que a vida tem.

Quiserá eu ter o poder de controlar as coisas, mas graças a Deus é Ele o dono de todas as coisas, Ele bem sabe o que cada qual deve passar, vivenciar, enfrentar. Você pode esperar... Vai ter sempre um momento da sua vida que você vai desejar se desligar de tudo. Vai haver um momento que seu coração vai vibrar de tanta alegria.

Ninguém passa por nossas vidas por acaso, cabe nós mesmos compreendermos ou não essa chegada, essa partida. Deus sabe o que cada um precisa quando cruza as vidas.

E por não termos o controle, é que com o passar do tempo as coisas vão se acalmando, os dias, os anos, os acontecimentos vai dando novos rumos a vidas que um dia se cruzaram. A vida continua. As vidas são distintas. Ele de um lado e eu do outro.

E sabe por quê a gente sente tanta saudade de um alguém? Porque essa pessoa conseguiu tocar o mais intimo do nosso ser, do nosso sentimento. Ela nos torna especial diante de seus olhos, nos trata como ninguém jamais tratou. Há um encantamento.

A pessoa passa e deixa um pouco de si, mas também leva um pouco de nós. O que fazer com o que ficou? Só o tempo irá dizer. Como Saint Exupéry disse no livro do Pequeno Príncipe, "Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas." E é verdade! Não tem como apagar o que aconteceu, só mesmo armazenar, se assim ambos não conseguiram concilhar uma reciprocidade. 

Não importa o tempo que a pessoa permaneceu junto, mas sim a intensidade. Não há regras quando se trata de sentimentos.

Desapegar faz parte do entender de que ninguém é dono de ninguém, que cada um tem de seguir seu caminho, juntos ou não. Foi o destino quem decidiu que nesse momento a vida segue. As barreiras foram mais fortes. A despedida falou mais alto. Mas faz parte da vida os "olá" e os "até logo!" 

Uma certa vez conversando com Deus eu somente pude agradecer por ter conhecido um alguém tão maravilhoso, um alguém que pode me afetar tanto positivamente. Que trouxe a primavera no inverno. Que me proporcionou momentos muito especias. Ele vai, e junto com ele um pedaço de mim. Sim, porque ele se fez parte da minha vida. Vá! Vai com Deus. Obrigada por tudo!

Até logo! Volte sempre!




Dedicado a Victor, com todo carinho.

Saudades.


Por Daniella Lins

quinta-feira, 18 de junho de 2015

As prisões sociais


Cada um tem a sua prisão, a sua sela e suas auto regalias. Há uma prisão máxima em torno de todo um conjunto de selas. Uns são presos a suas próprias neuras, outros a esteriótipos, a bens, presos as mentiras que cria ou as que outrem cria. Há aqueles que são presos ao "não", ao "sim", ao talvez e ao "e se".

Presos ao "será", presos ao "é muito longe". Presos ao "eu não sei". Tem prisioneiros de si mesmo, que a todo instante julga e culpa a si mesmo, seja ela pelas coisas que não fez ou disse. Há os que querem ter o poder de outras selas... ditando o que é "certo" e "errado", quem é "bom" e "ruim".

Há os que são presos a um outro alguém por querer ou por carência. Existe os que são prisioneiros dos aparelhos eletrônicos, das redes sociais, da aceitação, do reconhecimento. Estão ali aprisionados à amizades frágeis, a pessoas fantasmas e fantásticas. 

Há os aprisionados a coisas passageiras...

Cada um com sua sela, uns tentam se libertar, uns ignoram as selas, outros procuram mudar esse sistema. Outros fizeram da sela sua tatuagem, sua moradia.

Engraçado é que esses prisioneiros se acostumam com as selas. Acham ela bonita, a decoram, comemoram aniversários. Os prisioneiros desejam se manter dentro das selas... é mais seguro, confortável, não oferece risco aparentemente. Só que por trás de todo um carcére existe as chagas, uns até que acabam se acostumando com o mal cheiro que elas exalam e dizem: O que é que tem? Todo mundo tem?

Uhumm.. Ser igual a todo mundo... ser diferente. Hora de um lado, hora do outro, o que couber melhor, usa-se. Lhes parece complicado arriscar olhar o além, por um pé adiante do outro, TENTAR. Por quê não tentar??? Você tem medo de quê? Se você não tentar, nunca vai saber.

Você quer ser prisioneiro da vida ou do que é mais comodo? O que é comodo a você? O que dá nó na sua garganta? Por quê não aceitar e tentar ser e ter o que se tem, o que se é. Liberte-se do que te aprisiona!!! Dê um grita de liberdade. Assine a própria carta de alforria, o direito é seu, sabia? Você só não sabe como usar.

A porta está aberta. Aproveite. Tente. Mude.




Por Daniella Lins

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Eu vou chegar pra você.


Por quê você sempre teve pressa? Ainda pretendo descobrir. A pressa atrapalha a visão, já percebeu. Ela identifica focos retorcidos e logo o que está ao redor fica oculto. Vai com calma! Na verdade foi essa sua pressa e ansia por dias de riso em par, que lhe proporcionou muitas decepções, eu sei. Você esperou demais dos outros. Você não colocou as suas vontades na mesa. 

Você foi uma aventureira, percorreu muitos corações desertos, chegou e nada econtrou. Você teve muitas certezas e se enganou qual o problema? Quem não se engana?

Não te julgo não, pelo contrário, foram suas experiências que lhe tornou essa mulher forte e segura que é. O amor não deve ser procurado, ele de mancinho vai chegando e quando ele tomar todo o seu ser, você mal vai perceber, terá certeza que chegou e que ele é pra você.

Eu sou pra você, pelo menos enquanto durar. Não vamos limitar as coisas, então digo que desde que você chegou os meus dias passaram a serem melhores, os olhares passaram a fazer mais sentido.

Ah minha pequena! Eu sei. Até você chegar aqui, no agora, você deve ter passado muita coisa, muitas vezes seu coração muitas vezes foi triturado em minusculos pedaço e se constituiu novamente, num ciclo vicioso. Muitas promessas foram quebradas, acontece. Você depositou confiança demais em quem mal queria saber a seu respeito.

Sim, agora faço parte da sua vida. Eu pretendo ficar, desejo muito ficar. Não lhe faço promessas e nem lhe trago flores do campo. Lhe trago meu coração e ele é seu. Só o tempo irá dizer, só Deus sabe, o que o futuro terá a nos proporcionar.

O futuro eu já não sei, mas hoje eu tenho certeza que eu quero que você faça parte das minhas conquistas, dos meus planos, você é a primeira pessoa que eu penso quando algo novo me acontece.

Eu quero ser o seu bem querer, e sei que quando um amor de verdade chega na vida de alguém, todo o resto é curado de vez. Eu quero ser brisa leve. Eu não sei se sou o amor da sua vida, mas eu quero ser. Não me leve a mal, mas eu quero viver um dia de cada vez com você e ao mesmo tempo possuir uma coleção deles. 

Eu vou chegar pra você e sei que você chegará a mim também.


domingo, 31 de maio de 2015

Sobre não criar raízes


Eu descobri que aquele vestido que você dizia que era feio, me caia bem. Percebi que aquela música era realmente muito boa. Me dei conta que eu não lhe amo mais, mas te respeito. Esses dias eu refleti que o meu emprego não me levava a lugar nenhum, e eu quero poder ter tempo pra me relacionar com as pessoas, de poder estudar mais.

Percebi que eu tenho o meu valor e a nossa relação já não me faz feliz. Quero morar em outro país. Fazer outra faculdade. Medicina não me agrada mais, quero estudar teatro. Eu me vejo sufocada ao não fazer o que realmente quero e por quê?

Por que ficar? Por que não ir?


Sempre quando eu ouço alguém dizer "mas temos anos de casados né, não tem como jogar tudo pro alto." "Há mas se eu largar esse emprego talvez eu não consiga outro.", "Mas a família dele gosta muito de mim, não tenho coragem de dizer que não o ama mais." "Ah, mas se eu largar ela/ele, não terei mais o que tenho."... Se acomodar é algo que traz uma tranquilidade, uma certa "estabilidade" a pessoa. Ao mesmo tempo que a vida dessa pessoa vira uma mesmice, não anda pra frente, tudo pra ela está bom. A mudança ou a possibilidade de arriscar pode ser algo perigoso demais pra ela. Para mim, se acomodar é algo muito perigoso.

Mas por que não ousar? Se desprender dos questionamentos do e "se" e do mas "se", é trabalhoso de mais pra alguns. Mas pense bem: se você não tentar, não vai saber.

O que significam anos de um casamento, se um dos pares não está feliz? O que adianta você não mudar de direção e arriscar renunciar de algo para alcançar outro? Por que não terminar um noivado, ao invés de viver pra sempre com um alguém que não te ama mais, ou vice verso, porque já assumiu um compromisso? Eles podem ser quebrados. 

Só se vive uma vez! O que é mais importante que a sua própria felicidade? Antes de desejar que alguém seja feliz, você tem de se sentir feliz. 

Criamos pra nós mesmos raízes. Deveriámos nos permitir mais. E o e "se" deveria ser para o lado possitivo. Criar raízes pode nos limitar de novas possibilidades, inclusive de viver a experiências gratificantes. Tem gente que nem sabe o que é ser feliz de forma leve e descomprometida com o "que vão pensar de mim?"... E sabe que quando você não pensa no que os outros vão dizer, você fica mais leve...

Quando vi essa imagem da noiva correndo nessa ponte eu pensei:

Ela está feliz por ter tomado a decisão de ter desistido de casar, mesmo que em cima da hora? Por quê não desistir? Desistir também é investir. Por quê já tinha marcado data em tudo? Por quê já havia comprado o bolo e o vestido? Pago o fotografo e a viagem? O que será que vão pensar? Faça o que o seu coração diz. A razão na minha opinião, pode confundir. Às vezes o equilíbrio é mais valido.

Desencana!

Criar raíz pode te impedir de viver o que deseja viver. Pense bem! Correlacione o que te tras paz o que não te agrada mais. Siga o que a sua consciência não lhe ferirá. Não deu certo? Tente novos percursos.

Siga em frente! Sem medo de ser feliz. 


Por Daniella Lins

domingo, 3 de maio de 2015

Cadê o amor que estava aqui? Não se apega a carência não.



Quando você está carente, você exige muito a atenção e carinho de alguém e se esse alguém não corresponde as suas expectativas, você fica mal. Assim, você vai vivendo a mercê do outro. Por quê? Por quê sempre o outro que é o errado e não você? As vezes o outro nem sabe que é o responsável por tanto conflito ai dentro de você. Até quando você vai esperar pela iniciativa de alguém? Seja você o agente. Ame-se! Cultive o seu jardim, já dizia Shakespeare.

Ser apegado a certas coisas é muito complicado, a gente pouco se imagina sem ela. E aí acaba por acumular ou não dar espaço para que outra coisa tome o lugar. As vezes é necessário que a mudança ocorra. O livro "Não se Apega Não" da Isabela Freitas se tornou um clássico nesse assunto de desapego e ajudou muita gente a refletir sobre deixa ir. Tudo que nos deixa dependente, nos faz mal. Independente do que seja.

Coloque na balança e pese... Isso realmente tem o grau de importância que eu estou dando? Alguns pontos finais são essenciais. Não se lamente por toda a vida. Não dá, não dá. Ai você vai dizer: "Hum até parece que é fácil não se importar." É sim, basta você querer.

Você já parou pra pensar que de repente o problema é você? A gente que transforma os caras no problema quando na verdade nós mesmas que deveríamos corrigir alguns deslizes. Quando eles dão os primeiros sinais de "canalhice" ou de que não tem os mesmo ideais com a gente (e nem precisa ter, mas digo, quando faz algo que foge do que acreditamos), quem deveria dar "good bye" é a gente. 

Mas sabe o que fazemos? Damos mais uma chance, e outra e outra... Quando você vê, não está feliz. Tudo isso porque a gente quer preencher a falta de algo que não sabemos geralmente, com um outro alguém, ao invés de curar a ferida. Isso podemos chamar de carência, e acabamos nos apegando a qualquer coisa. 

E o outro por qualquer coisa que faça nos atinge negativamente. Porque estamos doentes, como uma imunidade baixa, que tudo faz ficar doente, chateado. Ai é muito mais fácil chamar o outro de babaca, do que assumir que nós mesmas somos as responsáveis pela intensidade da lamentação. Você acha mesmo que se ele/ ela quisesse te ver, já não teria marcado algo? Tome a iniciativa, mas se a pessoa não corresponder... desapega!

Ai tem aquela coisa dos sinais que a gente insiste em considerar como um motivo de carinho por nós. Tudo ilusão. Pensa só. Não se apegue a tão pouco. Mas também não generalize as pessoas. Saiba quem você é, saiba o que você quer, que a chance de se decepcionar será pequena, pelo menos você estará no caminho para a tentativa. Se culpe menos. Não somos responsáveis pela frieza e mentira que as pessoas nos contam, mas somos responsáveis por delimitar até onde elas vão.

Mas como não se decepcionar? Não existe isso. O ser humano sempre decepcionará alguém e sempre será decepcionado. Somos humanos e não santos. Não somos marionetes, (há quem se deixa ser), não dá pra corresponder as expectativas de todas as pessoas, você não consegue corresponder nem mesmo as suas. Vai cuidando do que te incomoda, só assim você poderá acomodar um outro alguém dentro de você. E isso não se dá de um dia para o outro, é processo. Permita-se ao novo. Tente. Você precisa de alguém que finja gostar de você? Você que sabe o que merece.

Faça a mudança, queira a mudança. Ocupe a mente com coisas que lhe dão prazer e não com o "se", se eu tivesse feito, se eu tivesse ido, se ele me ligasse. PARA!





Por Daniella Lins


domingo, 26 de abril de 2015

Violência contra mulher



De acordo com o dicionário Michaelis, a palavra "Violência significa": 2 Qualidade do que atua com força ou grande impulso; força, ímpeto, impetuosidade. 3 Ação violenta. 4 Opressão, tirania. 5 Intensidade. Qualquer força empregada contra a vontade, liberdade ou resistência de pessoa ou coisa.  7 DirConstrangimento, físico ou moral, exercido sobre alguma pessoa para obrigá-la a submeter-se à vontade de outrem; coação.

Eu me emociono e me indigno toda vez que lembro de alguma história sobre violência, seja ela contra animais, crianças, idosos, pessoas com deficiência... E percebeu que são pessoas que pouco podem se defender? Há a violência contra os homosexuais, contra a natureza humana e vegetal. Violência verbal, física e simbólica (onde há a coerção, ameaças). violência contra raça, credo, time, ideais diferentes... violência contra mulher.

Há anos essa guerra entre os gêneros ocorrem. Não é de hoje que se escuta casos onde um homem (que possui biologicamente, mas força que uma mulher), deu um soco em uma mulher publicamente, ou diz aonde ela deve ir ou que roupa usar, que amizades ter, etc.. E a todo tempo nos noticiários se ouve casos de feminicidios (morte de mulheres por conta de seu sexo feminino). Você mesmo deve ter vivenciado ou presenciado algum ato de violência contra mulher.

Eu mesma desde que me entendo por gente comecei a notar esses atos... Já sofri um certo tipo de violência também, seja com gritos, ou palavras de menosprezo pelo fato deu ser mulher (machismo), já fui sarrada no coletivo. Já fiquei sabendo de casos em que o cara se achou no direito de transar com a mulher, só porque ele estava saindo com ela algumas vez. ¬¬ (@#$% nada haver! NINGUÉM É OBRIGADO A FAZER NADA QUE NÃO QUEIRA PARCEIRO!) Elas disseram não e o cara ficou com raiva. o "tal" modificou seu tratamento com elas, parou de falar com elas... BABACA, NÉ?! (Olha eu sendo violenta... rs). Na verdade, pouco importa o que essa mulher vai pensar sobre ele em relação a essa atitude... Não "deu", então não serve.

Ninguém é obrigado a fazer nada que não queira, o nome disso é violência. Mesmo que sejam um casal de namorados ou casados.

Tem homem que acha que a mulher que anda com minisaia ou com decote, faz pra provocar... Mas se ela se sente bem assim? Mas se ela quer se mostrar sensual desse jeito? Nada leva a dizer que por isso ela deva ser estuprada ou assediada. Não tem nada haver, ao meu ver, muita mulher nem estava com pouca roupa e foi violentada, nada justifica tal ato. Esses caras são doentes. (Sério! Podem me chamar de louca! Mas a violência me causa muita indignação.) 

Eu sou tão nervosa, que um puxão no braço, dizer que roupa ela tem que vestir, ditar se ela vai ou não à algum lugar, alterar o tom de voz... é ato de violência na minha opinião. Creio que o "ser violento", vem da criação, vem da indole da pessoa. Esses vagabundos se sentem satisfeitos em se sentirem "homens" desse modo. Não sabem eles, mas não são. Exitem os homens e os meninos, não devemos generalizar e nem estou fazendo isso aqui. Tem muito homem que quer só mostrar o seu melhor.

É indignador e triste saber que alguém use de sua força física ou de sua manipulação, para agredir uma mulher, independente do que ela tenha feito ou não. Ninguém é dono de ninguém, não se tem poder sobre um outro alguém mesmo que de papel passado os nomes estejam unidos ou vivendo sobre o mesmo teto, não tem lógica a violência. É pura burrice, assim eu penso. Mas na mente dos agressores, sim, tem um motivo. Nada justifica pra mim um ato de violência. Vá se tratar colega!

Quantas mulheres sofrem por violência e se calam? Quantas mulher tem seus sonhos, sensualidade, beleza ceifadas, por um alguém que a domina? Quantas mulheres nem sabem que são violentadas? Quantas mulheres não tem força para mudar a situação? Quantas mulheres tem medo? Quantas mulheres recorreram aos orgãos públicos e não obteram ajuda? MUITAS.

E é através desse texto que eu faço um apelo: Mulher, lembre-se de quem você é, do que alcançou ou deseja alcançar, não dê ouvidos à um outrem que não sabe do que se passa dentro de você. Ninguém tem o direito de roubar os seus sonhos, você com certeza deve ser linda... É SIM! Só não lhe falam muito isso e ninguém precisa dizer, para que você se sinta. Peça forças a Deus. Você nasceu sem nada, tudo a gente pode conquistar novamente, mas a vida, não. E o tempo passa e se você esperar que caia do céu a solução, MULHEEEER, só chuva mesmo.

Seque essas lágrimas! Dê brecha para um novo amor. Seja o seu amor! Todos temos o direito de amar e sermos amados, temos o direito de sermos felizes, mas dependemos de Deus (sem interferir na religião de ninguém), de nós mesmos. Muita gente torce por você. Não se cale perante o ato de violência. Muita das vezes ele está camulfado e você se faz de desentendida. Procure ajuda. Imagino que seja muito difícil buscar forças, mas até quando isso vai durar? Te faz bem?

Aiiii por favor! Se ame, se queira antes de querer o bem de um outro alguém.


DIGA NÃO A QUALQUER TIPO DE VIOLÊNCIA! Não ache graça.

terça-feira, 21 de abril de 2015

É preciso se despedir de algumas coisas, para que novos "olá!"cheguem.


Tenho conversado com muita gente, amigos, pessoas que mandam mensagens e tenho percebido o quanto é difícil se desprender daquilo que não nos serve pra nada... Não é fácil se despedir de certas coisas, eu sei, mas há coisas que se a gente der um "tchau", coisas inimaginárias acontecem. Você pode ter certeza. Mas quando me refiro a "coisa", eu estou me referindo a objetos, pessoas e sentimentos. Se despedir requer desprendimento, libertação choro, saudade. 

Em certas despedidas, parece que um pedaço da gente se vai também, é inevitável. Quando minha mãe faleceu eu senti isso, que um pedaço de mim se foi literalmente. Nunca soube lidar com certas despedidas, mas algumas delas são necessárias.

Há despedidas que são necessárias de serem feitas, mas a gente tem tanto apego à elas que nem cogita a hipótese de dar um "tchau". Nem sempre um tchau é um ponto final. Um tchau pode ser uma vírgula, um até daqui a pouco, pode ser o começo de uma nova história.

Dar tchau é preciso, para que novas histórias e oportunidades possam chegar. Mas só alguém muito forte e/ou muito maduro é capaz de deixar ir. Deixar ir é se preparar pra receber algo novo ou reconhecer que aquilo não lhe serve mais. Mais isso só com as experiências que você vai ter que você vai aprender a dar tchau. Na verdade, é você querer estar bem para poder dar tchau.

Tchau à pessoas que não agem e preferem ficar no blá, blá, blá. Tchau as neuras que te impedem de enxergar o simples. Tchau as roupas que não lhe agradam ou lhes servem mais. Tchau ao que não tem futuro, mas você ainda insiste em empurrar pra frente sozinho/a (até quando?). Tchau para os velhos "amores". Tchau para o velho "eu". Tchau para a carreira que não te agrada mais. Tchau a comodidade que lhe impede de ousar voos mais altos (por quê não sonhar?). Tchau para a pessoa que você não quer ser. Tchau para os medos inúteis. Tchau para conceitos bobos. Tchau as correntes. Tchau a ideários velhos. Se reformule!

Diga mais "olá!"

Por quê você se prende ao que não te quer mais? Por quê você tem tanto medo de dizer "olá"? Deixa as coisas acontecerem! E não é que a vida é feita disso?! De o tempo todo dizer "oi", "adeus!" Faz parte. Não nascemos presos a nada e muito menos a ninguém. Pra mim a liberdade é uma das melhores coisas do mundo. Liberdade de chegar e sair, de gritar e sorrir, sem medo, sem dar relatório de entrada e saída. Porque o próprio relatório é a história da nossa vida. E ela é linda! Liberdade de ser quem quer ser.

Deixe ir o que não tem que ficar, o que não quer ficar, o que não pode ficar, o que teve que ir. Deixe flores, jogue flores. Leve ao portão de embarque. Despache! Chore muito, esperneie. Puxa os próprios cabelos. Grite com força. Fique em silêncio, converse com Deus. (<3) Lembre-se para escrever o seu futuro. 

Se você não se despedir do que não te faz bem agora, quando pensa em fazer isso? Nem todas as despedidas precisam de luto, quem decidi isso é você. Reavalie o que é realmente ruim ou bom demais pra ficar.

Dê um olá pro bem estar. Simples estar. Pode chegar! Seja bem vindo! :)

Let it be!


Por Daniella Lins